Do Corpo

Ao longo da sua vida Soares dos Reis foi frequentemente acometido por uma maleita desconhecida que o atirava para a cama por longos períodos de tempo, impedindo-o de trabalhar e obrigando-o a ficar dependente de cuidados de terceiros, normalmente da sua mãe. Numa carta, de 10 de Dezembro de 1884, que envia a José António Gaspar em que se pode ler-se o seguinte:

Am.o Gaspar/ Hum incidente bem desagradavel vem interromper (e quem sabe se para sempre) as nossas combinações com relação ao monumento de D. Affonso Henriques para Guimarães. Diz-me o doutor que devo responder laconicamente: pois é o que faço participando-lhe que o incidente de que acima falo é nada menos do que uma doença grave, aquella para que sempre tive predisposições, que agora me atacou deveras. Lembranças a todos e até outra vez se esta não for a ultima.

Sobre este mal nada se sabe, já que o próprio escultor é também desconhecedor da sua origem. É um assunto que pouco se vê referido mas que poderá ter igualmente contribuído para a depressão em que o escultor mergulhou nos últimos anos da sua vida. O próprio, numa outra carta a José António Gaspar informa-o que:

A este respeito que é hoje o que mais me interessa nada posso dizer-lhe porque me parece que estou sempre na mesma. Todos me aporrinham com conselhos, não ouso (sic) senão: tenha cuidado, tenha cautela, de forma que já não sei o que devo fazer nem o que devo pensar de mim mesmo. O que é mais curioso é que a final ainda não sei qual é a molestia ou se são mais do que uma ou até se não é nenhuma. Isto chama-se vegetar e não viver, e posso assegurar-lhe que n’estas condições a vida é pouco interessante: no entanto não vá julgar que tenho alguma idea de dar cabo d’ella, isso não.

Numa carta que Torcato Pinheiro dirige José António Gaspar ficamos a saber que a doença a que Soares dos Reis se refere na carta anterior o atirou para a cama por um período aproximado de um mês,

Tenho a dar-lhe boas novas. O nosso Soares levantou-se pela primeira vez neste momento, 10 de Janeiro de 85, às 2 horas da tarde.

Quando, em 1887, terminou finalmente a Estátua de Afonso Henriques, para Guimarães, a sua saúde voltou a piorar e em carta dirigida à Academia Portuense de Belas Artes, com data de 1 de Agosto, informa que esteve recentemente instalado numa casa de saúde.

Ex.mo Sr.

Tendo sido obrigado repentinamente a procurar uma casa de saude para tratar da minha saude sériamente comprometida, como sabe, e estando à minha disposição uma licença de que posso gozar quando precisar, participo a V. Ex.ª que desde ontem me acho em casa do Dr. Ferreira, Rua Duqueza de Bragança e se assim me for preciso gozarei todo o mês de Agosto da supradita licença.

                                                      Porto, 1 de Agosto de 1887

                                                                                                                                                                                                                                                 De V. Ex.ª

                                                                                                                                                                                                                                                Am.º e Ob.do

                                                                                                                                                                                                                                          A. Soares dos Reis.

Para mudar de ares, partiu para Lisboa, onde ficou instalado na Rua Jardim do Regedor n.º 43, sobre o que dá notícia a seu amigo Serafim Neves, em carta datada de 15 de Abril de 1888.